Blog Suassui

Série: Viagens para fazer no inverno – Milho Verde

No segundo texto da série “Viagens para fazer no inverno”, vamos falar de uma cidadezinha mística de Minas Gerais, um local de um povo tranquilo e acolhedor. Milho Verde fica entre Diamantina e Serro e, se você está precisando de fugir dos problemas, respirar ar puro, contemplar belas paisagens e ver a vida passar sem pressa, Gabriel Bastos e Crislaine Vieira garantem que o pequeno distrito é o lugar perfeito.

Gabriel e Cris estão noivos e vão se casar em outubro. Enquanto isso, aproveitam ao máximo todas as folgas entre a vida corrida do empresário e da dentista. O Blog da Suassuí conversou com eles sobre Milho Verde e eles toparam compartilhar as experiências sobre local com vocês.

O que fazer em Milho Verde

Durante o dia o melhor para fazer é conhecer as diversas cachoeiras que têm por lá. “As mais próximas são Moinho e Carijó, elas ficam na estrada chegando em Milho. Tem também a Tempo Perdido que fica em Capivari (só perguntar que sempre tem alguém pra te ajudar). Ela é maravilhosa, mas bem difícil de chegar, mesmo assim vale a pena o esforço”, garante Gabriel.

Prepare-se para o frio! À noite a temperatura cai bastante, o que deixa o local ainda mais charmoso e romântico.

Gabriel diz que “para as trilhas é sempre bom levar um calçado confortável, mas como são bem abertas pode ir de bermuda mesmo, andando não tem necessidade de blusa de frio, mas é indicado levar uma na mochila para emergências, caso a temperatura caia antes de voltar. Leve também uma toalha, afinal ir em uma cachoeira e não entrar não tem graça, né?! Mas saiba que a água é bem gelada, em qualquer estação” e faz um alerta: “É importante saber que a cidade é um vilarejo e devemos sempre respeitar os nativos, então nada de ficar andando pela cidade com roupas de banho. Elas são exclusivas para aproveitar as cachoeiras”.

Gastronomia do vilarejo

Na culinária, Milho Verde também faz bonito. “O Armazém é um bar ideal pra quem curte um bom som e gosta de degustar cachaças diferentes. Lá sempre rola bandas boas, tem uma porção de batata frita com alho que é perfeita. Outro bar bacana é o Bambuzinho, que fica na Rua do Campo. Tem também o Restaurante Manjericão (Rua da Igreja do Rosário) que não dá pra deixar de ir! Lá tem alguns pratos ao molho pesto que são excelentes. Por fim destaco o Café no Bosque, que faz caldinhos e tortas perfeitas (além de um bom café, capuccino e chocolate quente)”. Gabriel ainda afirma que além dos que citou, há muitos outros lugares que ele e a Cris gostariam de conhecer. “Resumindo: vá para Milho Verde com tempo. O pessoal é acolhedor e com certeza você será bem recebido”, afirma categoricamente.

Turistando

Não dá pra deixar de visitar também os lugares tradicionais de Milho Verde. Tem a famosa Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída em barro e madeira que fica no ponto alto da cidade, quem sobe até lá é contemplado com uma linda visão do horizonte.

Para os aventureiros, fazer trilha é uma boa opção. “Tem uma trilha que vai até a Serra do Ouro e observar algumas pinturas rupestres. Indicamos sempre ir com algum guia local, afinal, os atrativos naturais são bens que deve ser preservados e cuidados”, alerta.

A cidade é pequena, mas há muito o que aproveitar. “A não ser que fique um mês inteiro em Milho Verde, ainda assim não será possível conhecer tudo, então se prepare pra voltar, pois a cidade vai despertar essa vontade em você. E vale a pena! A cada vez que vamos sempre descobrimos algo novo”.

Em clima de romance

A menos cinco meses para o casamento, Cris e Gabriel não se desgrudam mais. Inclusive já contagiaram casais de amigos com o clima de romance. “Na nossa última viagem para Milho Verde carregamos mais gente. Dessa vez fizemos um programa diferente, subimos em um mirante que tem na estrada sentido a São Gonçalo e tomamos vinho lá em cima, curtindo um frio extremo e contemplando a lua com um telescópio que levamos”.

Vamos ajudar!

Conheça o Projeto Catarse clicando aqui. Está sendo arrecadado fundos para o 15º Encontro Cultural de Milho Verde, aliás, é uma boa data para conhecer a cidade e principalmente sua cultura. No link abaixo você pode ajudar na realização dessa festa e, assim, manter viva a cultura local de Milho Verde.

Comentários